20 maio 2004


 Posted by Hello

Solidão Madrasta


Estava á espera... Tinham prometido voltar mas o tempo passava e ninguém voltara. Teriams esquecido? Ele ainda os lembrava a todos: a Dina, a Sofia, o Ricardo, o João.
Eram a equipa que descera ao planeta. Depois as coisas complicaram-se, a nave não aguentava o excesso de peso, ele ficou. Voluntariou-se para ficar. Ficaram também todos os equipamentos. Partiram só eles. Teriam morrido?
Se eles tivessem morrido, então ele estaria condenado a ficar ali para sempre, sem que ninguém o viesse buscar. O sistema de comunicações da nave tinhas sido arrancado. Fora mais uma coisa para aligeirar o peso da nave. Apenas tinham levado um radio de emergência, daqueles que emite um SOS continuo.
Será que... Tinham sido salvos e não voltaram inventando uma desculpa quanto a ele? Ele era o membro mais recente da tripulação, e pensando bem... Havia uma grande intimidade entre os quatro, intimidade que ele nunca partilhou. E lembrando bem, era capaz de lembrar-se deumas quantas vezes em que chegara e as conversas deles tinham parado. Nunca pusera grande significado nisso, as pessoas tem direito á sua privacidade, mas agora...
Também quando se ofereceu para ficar eles sorriram-lhe, mal se despediram dele. Era verdade que estavam todos nervosos, o importante era alguém sair dali para ir buscar ajuda. Mas podia ter ido só um, em vez de ficar só um. Se calhar facilitara-lhes os planos! Que idiota!

O vento do planeta soprou na sua direcção e despenteou-lhe os cabelos compridos. Estava há 2 meses no planeta, sem contacto com ninguém. Era um planeta periférico e nem eles sabiam muito bem a localização. Quando a nave avariara, andaram á deriva, e os instrumentos haviam deixado de funcionar. Cairam ali.

Comera dos frutos das árvores do planeta. Frutos que nunca vira, nem nunca saboreara. As rações de emergencia tinham acabado, e tinha de arriscar. Tratava-se de sobreviver.

A solidão madrasta punha-lhe ideias na cabeça...

2 comentários:

Topazio disse...

A solidão é má conselheira...essa, porque a outra é criadora!!!
espero que apenas tenhas da outra
Beijos

mitro disse...

A solidão é sempre isso mesmo: Sentir-se só!