06 outubro 2007

Ovo de Rá – 40ª parte



foto daqui

Não faz o meu género…



-- Sabes Helmut, somos loucos em muitos aspectos…
-- Como assim? – perguntou Helmut decidido a explorar toda a sua curiosidade.
Era extraordinário como um simples animal, ao adquirir o dom da fala, se tornava mais curioso, como a sua procura de saber se tornava uma jornada de desbravar o desconhecido, de ir sempre um pouco mais além. Talvez fosse isso que nos fazia andar, mesmo quando todas as esperanças pareciam ter soçobrado algures…
-- Nós humanos damos valor a muitas coisas, Helmut. E nem sempre às coisas que nos mantêm vivos…
-- Viver não é importante para vós? – perguntou Helmut com alguma desconfiança.
-- Claro que é, Helmut! Mas às vezes achamos que a vida é menos importante que certas coisas…
Aqui Helmut olhou-me com um terrível espanto e depois resignado a não conseguir entender-nos suspirou:
-- Realmente… Para além de loucos, são ainda mais loucos!
Ri-me. Mas Helmut conservou-se sério e agora a sua renovada ferramenta cerebral, a sua insaciável curiosidade insistiu:
-- E que coisas são essas que vós humanos, achais mais importante que a própria vida?
-- Que coisas Helmut? – fiz uma pausa para pensar – O amor, a esperança…
Helmut fez outra vez aquele risinho escarninho e comentou:
-- Se o amor é encontrar uma fêmea, em parte posso compreender… Mas tu andas desanimado por ali a Cabelos-de-Fogo não te ligar, mas ainda assim não te matas! Se calhar não és tão louco assim…
Caminhei sem dizer nada, a digerir a afirmação de Helmut. É verdade que não me matava, mas era verdade que me sentia morrer.
-- Helmut, há coisas piores que morrer…
E não dissemos nada por um tempo que me pareceu longo demais. Olhei na frete Godo e Cabelos de Fogo que parecia não terem ainda esgotado tema de conversa. Trocavam sorrisos, uma gargalhada de vez em quando. Notava-se que havia algo bom entre eles. Talvez fosse felicidade, não sei… Mas a felicidade deles, magoava-me.
Talvez Helmut tivesse percebido e comentou:
-- Na alcateia também é preciso lutar por uma fêmea, mas às vezes, por muito que queiramos uma, acabamos por nunca ter. Abandonamos a alcateia e tornamo-nos lobos solitários… Depois é preciso fazer pela vida, pelo menos até morrermos. E quando ela chega, prontos, acaba-se! – E depois em jeito de conclusão – Mas não vejo grande vantagem em desistir mais cedo!
-- És capaz de ter razão Helmut… -- Pensei eu alto. Afinal na sua perspectiva de animal, não havia muita preocupação com conceitos abstractos. A vida resumia-se a viver! Mas talvez houvesse para Helmut, apetrechado com o dom da fala, desafios novos. Conceitos novos, como o amor e a esperança. Se já lhe custava perceber o valor do ouro, iria certamente ter dificuldades em perceber valores. Decidi explorar essa via:
-- Helmut…
-- Sim…
-- Na alcateia como encaram os filhotes?
-- Como quê? – Helmut não percebera muito bem.
-- Por exemplo, pelos filhotes estarias disposto a dar a tua vida?
Helmut parou e todos tomaram algum avanço sobre nós.
-- Não só pelos filhotes… -- retomou Helmut – Pelos amigos também. E falo por mim, não sei o que a alcateia pensa…
Senti vontade de o abraçar. Acho que Helmut pensava com uma clareza que às vezes me deixava surpreendido. E quando dizia as coisas elas resultavam mesmo do seu sentir, não eram coisas elaboradas, na procura de serem bonitas ou de nos impressionarem. Era mesmo o Helmut, nu e cru.
-- Pois! Obrigado Helmut, sei que nem pensarias duas vezes, se eu precisasse de ajuda…
Ele riu-se outra vez e foi mordaz:
-- Mas quando se trata de fêmeas, cada um por si!
Ri-me outra vez.
-- Não me digas que também andas atrás de Cabelos-de-Fogo!
-- Não, não faz o meu género…

21 comentários:

firmina12 disse...

grande ausência

Å®t Øf £övë disse...

mitro,
Vá lá alguém entender o ser humano, se nem nós nos conseguimos perceber.
Às vezes fico a pensar mesmo que o Helmut nos deve achar completamente loucos.
Bom fds.
Abraço.

Ana S. disse...

Muito giro o texto lol
Quanto a dar a vida pelos outros é romântico demais pra meu gosto. Ainda se houvesse reencarnação... lol
Beijos

Dhyana disse...

...que texto...!
bom fim de semana.

XannaX disse...

Não faz o género???? Ora e eu a pensar ... nada corre como nós desejamos... :-)

Maresi@ disse...

oLa Mitro.... finalmente passei pelo teu espa�o e... adorei o teu post...

Nao te tenho visto....de ferias?

beijo suave_____Maresia

Maresi@ disse...

oLa Mitro.... finalmente passei pelo teu espa�o e... adorei o teu post...

Nao te tenho visto....de ferias?

beijo suave_____Maresia

Borboleta Endiabrada disse...

Adorei a foto...


beijinhos endiabrados

Olhos de mel disse...

É lindinho! O que muitas vezes nos faz viver é a esperança... Mas a vida é o que temos de mais importante e temos que cumprir nossa missão. Embora seja preciso que o amor faça parte de nós.
Amei, viu? Lindo texto!
Que sua semana seja de realizações!
Beijos

tb disse...

a continuação que se segue sempre com o mesmo prazer e ansiedade de mais... :)
Seguindo...
Beijinho

Helena Nunes disse...

Lol,retornei, mais vale tarde do que nunca.
Obrigada por esta leitura.
Bjos

Miss Lau disse...

que incrivel
:)

Ana Belio disse...

Beijos, Mitro.

beta disse...

Gostei do texto :) Muito bom

Frioleiras disse...

A vida resumia-se a viver!

claro que é verdade...

O Helmut.. não é deste tempo!

Um Momento disse...

Passei... para te soprar um beijo
()

Joana Dalila Santos disse...

Somos todos loucos!

marta. disse...

sim, gostei bastante da história do homem desconhecido, dotado de poder.

Um beijo, personagem que escreve :)

Nitinh@ disse...

E porque não triste?

Rosi Gouvea disse...

"...e os versos de asas douradas, que amor trazem e amor levam...
...Novo mundo que começa...

(Cecília Meireles)

Sempre passo por aqui e dou uma espiadinha neste seu recanto e quando vou embora, levo a alma renovada.
Obrigada pela visita. Fiquei honrada!!

Beijos doces...

Porcelain Doll disse...

Ou seria por se tornar mais curioso que adquiria o dom da fala? Eheheh!!

Acho que a esperança vem precisamente do desconhecido... se tudo fosse conhecido, a esperança seria a primeira a sumir-se...

Que pena que não me lembro de quem era a frase que li uma vez que dizia que as há coisas mais importantes que a própria vida e que é por essas que vale a pena lutar...

É fantástico quando damos de caras com criaturas que não buscam atalhos... e que se sente que o que dizem resulta mesmo do seu sentir... chama-se a isso autenticidade. Digo eu. :-)